Três ideias de jerico

Três ideias de jerico

Post do Pedro, nosso amigo e convidado especial  🙂

1 – Tentar usar azeite de oliva para fazer a barba (essa “dica” foi dada pela revista Veja, na edição de 25 de abril de 2005): ninguém vai conseguir fazer a barba usando azeite de oliva (ou qualquer outro óleo, como óleo mineral/Vaselina) pelo seguinte motivo: já na primeira passada o óleo obstruirá as lâminas do barbeador, fazendo com que tu não consigas passá-lo (o barbeador) mais de uma vez sobre a pele. Quem não está acreditando em mim, sugiro que tente.

Provavelmente alguém está se pensando: “e os pre-shave oils, que são vendidos pela Anthony Logistics for Men*, Clarins**, Zirh *** etc, também não funcionam?”.

Funcionam sim! Mas eles funcionam porque são produtos que não contêm apenas óleos em suas fórmulas. Além de óleos, os óleos pré-barba contêm emulsificantes, que são substâncias que alteram a tensão superficial entre a água e o óleo, fazendo com que ambos possam misturar-se e formar uma emulsão. Na prática, os emulsificantes farão com que o óleo depositado na lâmina possa ser enxaguado pela água da torneira – assim os espaços entre as lâminas do barbeador não ficarão obstruídos.

2 – Aplicar comida na pele: a função da comida é ser comida. Mas sempre vejo as revistas ensinando a fazer “máscara de clara de ovo com hortelã”, “loção de uva com gema de ovo”, “máscara de abacate com não sei o quê”… Alguém tem de avisar a estas revistas que já estamos no século 21! E vários são os motivos para não aplicá-la sobre a pele.
A saber:

– Não custa menos. Um (1) Kg de uva por aqui sai por volta de R$ 8, contra aproxidamente R$5 de um tubo de hidratante Dove; – Não é seguro. Ao contrário de cosméticos que compramos prontos, receitas caseiras não passam por testes que asseguram que elas são pouco propensas a causar alergias, manchas etc;
– Pode causar alguma contaminação (passar ovo cru no corpo? Realmente não é uma ideia sensata). Pense neles (são micróbios – rs):

– Em geral, não existem evidências científicas de que receitas caseiras possam fazer alguma coisa surpreendente pela pele.

“Mas a Cleópatra usava, e a pele dela era linda”. Bom, eu nunca peguei a Cleópatra, portanto não posso assegurar que a pele dela era tão macia quanto costumam afirmar. Além disso, embora algumas receitas da Cleópatra façam sentido, muito provavelmente ela tomava banho de leite de cabra não porque ela queria, mas porque ela não contava com uma Sephora.

3 – Misturar xampu com condicionador: parece que a ideia de misturar xampu com condicionador surgiu em um salão do Rio de Janeiro. E já tem muita gente seguindo. No entanto, xampus e condicionadores são incompatíveis em geral. Eu poderia explicar o porquê, mas na revista de Química da UFSC já há uma matéria com uma excelente explicação:

(…)”

Como agem os xampus e condicionadores?

Ambos possuem, em sua formulação, moléculas de surfactantes. O QMCWEB já fez uma aula virtual sobre surfactantes. Os xampus e condicionadores diferem, basicamente, na carga do surfactante: os xampus contém surfactantes aniônicos, enquanto que os condicionadores têm surfactantes catiônicos. Quando o cabelo está sujo, ele contém óleo em excesso e uma série de partículas de poeira e outras sujeiras que aderem à superfície do cabelo. Esta mistura é, geralmente, insolúvel em água – daí a necessidade de um xampu para o banho.
O surfactanteajuda a solubilizar as sujeiras, e lava o cabelo.
Um problema surge do fato de que surfactantes aniônicos formam complexos estáveis com polímeros neutros ou proteínas, como é o caso da queratina. O cabelo, após o uso do xampu, fica carregado eletrostaticamente, devido a repulsão entre as moléculas de surfactantes (negativas) “ligadas” à queratina. É aí que entra o condicionador: os surfactantes catiônicos interagem fracamente com polímeros e proteínas neutras, e são capazes de se agregar e arrastar as moléculas de xampu que ainda estão no cabelo. Nos frascos de condicionadores existem, ainda, alguns produtos oleosos, para repor a oleosidade ao cabelo, que foi extraída com o xampu.
O cabelo, após o condicionador, fica menos carregado e, ainda, com mais oleosidade.

Segundo este critério, não existe xampu “2 em 1”, ou seja, uma formulação capaz de conter tanto um surfactante aniônico como um catiônico. Os produtos encontrados no mercado que se dizem ser “xampu 2 em 1″ são, na verdade, xampus com surfactantes neutros ou, ainda, surfactantes aniônicos com compostos oleosos, que minimizam o efeito eletrostático criado pelo xampu normal.”
Fonte: qmcweb.org

Além do que o que já foi explicado no trecho anteriormente exposto, os químicos do The Beauty Brains explicam que os ingredientes dos xampus e condicionares formam um sal quando misturados, fazendo com que o efeito do xampu permaneça, mas não o efeito do condicionador (salvo em alguns casos).

Crédito das imagens: Anthony Logistics, Clarins, Zihr e site Think Geek.

Share

O Stash é editado por Adriana Nunan, especialista em cosméticos de luxo, com mais de 10 anos de experiência em blogs de varejo. Psicóloga clínica e consumidora exigente, Adriana oferece uma perspectiva abrangente dos benefícios – objetivos e subjetivos – dos produtos avaliados.

Recommended Posts

Comments

  1. Eu nunca entendi esse negócio de shampoo 2 em 1. E vamos combinar que não funcionam mesmo como condicionadores (pelos menos não os poucos que já usei). Eu ficava imaginando isso que estão fazendo agora: misturar um pouquinho de shampoo com um pouquinho de condicionador! rs

    Pedro, e os shampoos que lavam a seco? Vc sabe algo a respeito? Eles realmente limpam?

    • Lavinia, não sou o Pedro, mas os shampoos que lavam a seco eles não lavam os cabelos não. Nem é essa a função. O objetivo é dar um jeito no cabelo, mas não substituem a lavagem em si. O que eles fazem é absorver o óleo do cabelo e dando uma escovada o cabelo “tá novo” rs, mas não dá pra fazer isso muitas vezes seguidas porque o cabelo vai ficando saturado. Além de absorver o óleo quase todos tem um cheiro bem forte, pra disfarçar qualquer cheiro ruim que o cabelo possa ter retido, sei la, na noitada, dia anterior, etc… Alguns são muito bons e deixam o cabelo até bem brilhante e solto, outros o cabelo fica com aspecto ressecado e embaraçado meio pesado porque o produto do spray não some eficientemente entre os fios. Um shampoo a seco emergencial muito usado por cabeleireiros se você quiser testar um dia é o talco johnsons, espalhe um pouco pelo cabelo, principalmente raiz, bem pouquinho mesmo, jogue a cabeca pra frente e vá escovando até voce ver que o pó saiu todo, rs

  2. Infelizmente não sei, Lavi.

  3. Eu adorei esse post, Pedro :))
    Concordo plenamente c a sua opiniao sobre essas receitas caseiras. E mais: se gasta um tempo desnecessário fazendo essas receitas, nao vejo o mínimo nexo.

  4. Helen Horta de Oliveira Says: março 24, 2010 at 6:18 pm

    Fantástico o post! Com a dose certa de sarcasmo e informação! Parabéns!!

  5. AMEI o post, vou mostrar para uma amiga que passa clara de ovo no rosto…rs rs Tbm amei o blog de forma geral! Beijinhos.

  6. Ola

    parabéns pelo blog.

    mas gostaria de fazer um comentario sobre esse post. mais atençao antes de falar nas receitas “caseiras”.

    concordo que ha VARIAS sem nenhum fundamento e as vezes até perigosas (notadamente aquelas que levam substâncias fotosensibilizantes).

    mas existem outras receitas que sao excelentes sim. a diferença é principalmente que elas sao rapidamente pereciveis. e tb nao contém uma linda embalagem e uma bela historia por tras…

    eu trabalho com cosméticos, e, no tempo livre, tenho me informado muito sobre os “feito em casa”.

    • Mariana, eu uso uma receita caseira, para esfoilar (limão com açúcar).
      Até já mencionei ela em post ( http://www.stash.com.br/2009/12/15/esfoliante-sebium-bioderma/ ) e ao mesmo tempo que teve gente dizendo que gosta, teve muita gente falando que é super perigoso.
      A intenção quando escrevi não foi dar aquilo como verdade, aliás, nenhum post é. Porque o que é bom pra uma, nem sempre é bom pra outra.
      Minha avó usou a receita desde sempre, minha mãe usa e nunca tivemos problema. Então, eu não tenho motivos para parar. Agora se por acaso eu efetivamente conhecesse alguém que tivesse se queimado por isso, poderia repensar. Portanto não critico quem me acha errada. Eu entendo. Mas não vou mudar minha opinião.
      Eu sou mega precavida com essas coisas e faço com consciência. Coisa que muita gente não é.

    • Ahh e este lance de ser rapidamente perecível é chato né? Pelo menos pra mim. Eu nem gosto de cométicos / remédios manipulados por isso.
      Mas eu acredito que existam receitas caseiras que funcionam. 😉

      • sim, é chato mesmo. mas ai o lance é fazer em pequenas quantidades!

        usando conservadores naturais, a maioria dos cremes e soluçoes feitas em casa podem ter garantia de conservaçao de 1 mês.

        como exemplo de conservador natural, existe o extrato de sementes de Pomelo, que também é um anti-oxidante.

  7. Concordo com a Lavinia! Inclusive é até por isso que eu raramente escrevo palavras como “nunca”, “sempre”, “todos” etc., justamente para deixar claro que quase nada é verdade universal.

  8. Liliane Machado Says: março 30, 2010 at 12:40 am

    AMEI o post! Com certeza, lugar de comida é na boca… só há essa função. As pessoas sempre têm aquela ideia ou receitinha da vovó maravilhosa que vai te deixar com uma pele ou um cabelo divinos…será? hahah depende do parâmetro, né?!

  9. Eu concordo em 100% com a afirmação de que a Cleópatra “tomava banho de leite de cabra não porque ela queria, mas porque ela não contava com uma Sephora.”

    Eu falo isso pra todo mundo que me enche a paciência com essa comparação hehehe

    Receita caseira eu até faço, mas faço as práticas tipo açúcar misturado com sabonete pra esfoliar. Essas misturas milaborantes de alquimistas (hehehe) eu não faço não!!!

    P.S.: Esse lance da clara de ovo é uma técnica usada por maquiadores de modelos pra deixar a pele lisinha nas fotos, não sei porque daí surgiu essa idéia de que rejuvenesce.

  10. Pedro, eu já tive um salão de beleza e já ouvi uma quantidade imensa de receitas absurdas. Nem comento, nossa, fico besta.

    Sobre “shampoo condicionador”, os “tipo 2 em 1”, ou misturar os dois, chegou uma hora que eu parei de explicar e só falava “não funciona” e quem quisesse que acreditasse. haha

    Tem uma coisa que, dependendo do cabelo, pode ajudar, e que é um modo atípico de usar shampoo e condicionador: quando o cabelo é muito longo, muito ressecado nas pontas (especialmente os muito cacheados), pode ser legal usar condicionador nos cabelos molhados, nas pontas, antes do shampoo. Aí lavar a raiz com shampoo e enxaguar, emulsificando só um pouco nas pontas. Aí , claro, condicionar de novo. Ajuda a não embaraçar tanto, e ajuda a fazer com que o shampoo não tenha uma ação tão intensa nas pontas do cabelo.

    beijoca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *